linha

ESTÁGIOS


Responsabilidade Social - Vila Santa Anita

Buscando assumir sua responsabilidade social, o IDH iniciou em 2007, um relevante projeto para melhorar a vida de crianças em situação de pobreza e vulnerabilidade. Estabeleceu uma parceria com a ASMOVISA – Associação dos Moradores da Vila Santa Anita, associação civil sem fins lucrativos, cujo objetivo é reivindicar melhoramentos e buscar o desenvolvimento sócio-cultural de seus moradores. 

A Vila Parque Santa Anita é uma das áreas de vulnerabilidade social em nossa cidade; o nível de escolaridade da população é baixo, sendo que 67% não concluíram o ensino fundamental. A renda familiar de 35% da população é de 1 a 2 salários mínimos; de 52,8% é de até meio salário mínimo; de 23% é de até um quarto de salário mínimo. As principais atividades profissionais exercidas pelos moradores são os serviços domésticos, serviços na área de segurança, de manutenção, e de limpeza (faxineiros), bem como atividades na área de comércio (formal e informal) e de reciclagem de lixo. Verifica-se, porém, uma discrepância no que se refere a profissões e renda, pois há também pessoas na vila com cargos gerenciais, de supervisão, músicos e assessores políticos, cuja renda é bastante acima da realidade média da vila. 

As precárias condições de vida são agravadas por um baixo nível de consciência quanto à responsabilidade pessoal e efetividade da participação comunitária, principalmente em buscar melhorias necessárias para sua comunidade. A educação não é reconhecida como prioridade por essas famílias, o que pode estar gerando nas crianças uma falta de disposição para a aprendizagem. Mesmo frequentando a escola, essas crianças não estão disponíveis para aprender, o que resulta em altos índices de repetência que geram e reforçam nos pais a crença de que os filhos são incapazes para os estudos. Essas circunstâncias ocasionam a evasão escolar, pois alguns pais, frente às necessidades, acabam optando por ter seus filhos trabalhando. Ao mesmo tempo, há moradores da vila que estão na universidade, o que demonstra, por outro lado, o potencial humano da comunidade em crescimento.

A maior parte dos moradores avalia a vila como sendo um bom lugar para se viver. Os principais motivos referidos são: a proximidade de parentes; a vizinhança, que é considerada solidária, amável e confiável; a presença de uma boa infraestrutura de serviços básicos, tais como escolas, posto de saúde, comércio, creches, transportes, posto policial, e serviços públicos como iluminação e recolhimento de lixo. Entre os problemas considerados mais graves, apontam a falta de calçamento e de saneamento básico (rede de esgoto), as péssimas condições do arroio, o qual se encontra poluído, as precárias condições de moradia e o desemprego.

Embora considerem a comunidade segura, cerca da metade dos habitantes já presenciou algum tipo de violência, tais como brigas, agressões e até assassinatos. Estes estão muito relacionados ao tráfico e uso de drogas, presentes de forma significativa no cotidiano da vila. Apesar de haver certa naturalização da violência, que faz parte do dia a dia das pessoas, esse é um fator de preocupação para os pais em relação à educação de seus filhos. Também a violência é fator estressor e gerador de perdas para as crianças, uma vez que muitas já perderam algum familiar, por morte ou prisão, e sentem-se constantemente ameaçadas de sofrer mais perdas ou de serem, de alguma forma, atingidas pelas drogas. 

São consideradas em situação de risco as crianças expostas à violência, ao uso de drogas e a experiências de privação afetiva, cultural e/ou socioeconômica, o que acaba se traduzindo por dificuldades na frequência e no aproveitamento escolar e em lacunas significativas no seu desenvolvimento emocional.

Optamos por focar nosso trabalho nas crianças a partir de 6 anos e nos adolescentes, utilizando a metodologia psicodramática, para ampliar as ações pedagógicas já existentes, de modo a proporcionar-lhes suporte psicológico que permita ultrapassar as barreiras que impedem sua inclusão social. 

Em grupos terapêuticos semanais, são trabalhados conflitos, angústias e inseguranças através de dramatizações e jogos que proporcionam experiências emocionais, cognitivas e socioculturais com potencial de promover a construção e reconstrução de papéis sociais mais saudáveis e adequados e a desenvolver relacionamentos interpessoais positivos, criativos e espontâneos.

Estágio no IDH

Em 2010, iniciamos convênios para a realização de estágios supervisionados de estudantes de Psicologia, com atividade no Centro de Convivência e Fortalecimento de Vínculos da Associação dos Moradores da Vila Santa Anita. 

Os estagiários fazem atendimentos clínicos individuais de crianças, adolescentes e adultos e participam de grupos de Psicodrama como egos-auxiliares, enquanto os alunos do Curso de Formação e Especialização em Sociopsicodrama são os diretores/coordenadores. 

Iniciamos com o Centro Universitário Metodista – IPA e com o tempo fomos ampliando nossas parcerias. Hoje temos estagiários de seis Faculdades de Psicologia:

• FADERGS
Faculdade de Desenvolvimento do R.G.Sul  
• IPA
Centro Universitário Metodista
• PUC/RS
Pontifícia Universidade Católica/RS
• UFCSPA
Univ. Fed. de Ciências da Saúde de P. Alegre
• UFRGS
Universidade Federal do Rio Grande do Sul
• UNIRITER
Centro Universitário Ritter dos Reis

• UNISINOS
Universidade do Vale do Rio dos Sinos

 

Os grupos de Psicodrama atendem mais de 100 crianças que frequentam a instituição. Neles se cria um espaço de expressão dramática e de compartilhamento de experiências onde todas, conforme seu momento evolutivo, podem expressar e elaborar suas angústias, preocupações, anseios e projetos. 

As supervisões promovem a integração de teoria, técnica e prática, avaliando e refletindo sobre o trabalho feito e sobre as possibilidades de intervenção em uma linha coerente, com qualidade e integração. São realizadas regularmente, uma vez por semana, na sede IDH, em paralelo com um seminário teórico semanal. 

Os estágios têm duração de um ano e iniciam em março ou agosto e a seleção para os mesmos é feita em junho e novembro. Os estagiários devem ter disponibilidade nas terças-feiras de manhã e mais dois turnos, a combinar.

A próxima seleção será realizada na sede do IDH em junho de 2020, em data ainda não definida.

Galeria de Imagens
logo
logo
logo
logo
logo
logo
logo
logo
logo
logo


Siga-nos nas
Redes Sociais